Ensino de música nas escolas torna-se obrigatório

Publicado: 11 de setembro de 2008 em Novidades
Tags:, ,

Partituras musicais e instrumentos poderão fazer parte da lista de material escolar do seu filho a partir de agora. E não estranhe se ele estiver praticando percussão e argumentar que é lição de casa. O ensino de música, tão importante para o estímulo da criatividade infantil, será novamente obrigatório nas escolas. Sancionada nesta segunda, 18, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a lei nº 11.769 valerá para o ensino fundamental e médio de todas as escolas brasileiras, que terão 3 anos para adaptar seu currículo na área de artes. Essa lei altera a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) que determina o aprendizado de arte, mas não especifica o conteúdo.

O ensino de música já fez parte dos currículos escolares, mas foi retirado na década de 1970. O projeto de lei para o retorno dessa disciplina foi proposto pela senadora Roseana Sarney e surgiu com a mobilização do Grupo de Articulação Parlamentar Pró-Música (GAP), formado por 86 entidades, como universidades, associações e cooperativas de músicos. O objetivo não é formar músicos profissionais, mas sim, reconhecer os benefícios que esse ensino pode trazer para o desenvolvimento e a sociabilidade das crianças. Sandra Peres, do grupo Palavra Cantada, acha a decisão bastante válida, mas questiona a maneira com que a música será ensinada nas escolas. “O que realmente vai fazer diferença é a maneira com que as escolas despertarão o apreço das crianças pela música”, diz. O importante, portanto, é que as aulas sejam baseadas na proximidade com o universo infantil. “Até 5 ou 6 anos de idade, o ideal é que elas tenham uma iniciação musical e sejam apresentadas a diferentes instrumentos musicais, para que, mais tarde, descubram de qual elas mais gostam”, afirma Sandra.

Lula vetou o artigo que previa a formação específica de professores na área musical para ministrar a disciplina. A justificativa é que a música é uma prática social e, no Brasil, há diversos profissionais sem formação acadêmica específica ou oficial na área e que são reconhecidos nacionalmente. Paulo Gomes é professor de iniciação musical na Escola Estilo de Aprender e concorda que a formação superior em música não é o principal para definir um bom músico. “O importante é que o professor saiba passar conhecimentos teóricos e práticos para os alunos. E no momento de contratá-lo, cabe à escola verificar se ele se adapta à proposta curricular”, diz.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação, ainda não foram definidas questões como a periodicidade ou a forma com que as aulas serão ministradas, o que cabe ao Conselho Nacional de Educação. Esses parâmetros ainda serão definidos e devem ser baseados nos regionalismos de cada estado: enquanto em Pernambuco a prioridade pode ser o maracatu, por exemplo, no Rio Grande do Sul a preferência pode ser para os ritmos folclóricos gaúchos.

Fonte: O Globo.

Anúncios
comentários
  1. Eduardo disse:

    gosteu muito do site queria ver as melhoris bateria do mundo manda recado pra mim ta bom este é meu MSN também abraços fica conm deus ok.

  2. marcelo baião disse:

    sou produtor musical,e fico muito feliz nesse momento,por saber que a musica estar encontrando o seu caminho de volta para casa,parabéns senhora roseana sarney, eo nosso presidente do brasil por ter difinido a musica como arte para o povo brasileiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s