Posts com Tag ‘produção musical’

O assunto em questão é muito complexo e cheio de vertentes,portanto,vou dividir em partes.Alguns assuntos relacionados vamos tratar em outras publicações futuras aqui no Blog!

Já a muito tempo a tecnologia é uma forte aliada dos músicos no palco.Com o passar dos anos foi ficando cada vez mais comum e acessível montar pequenos sistemas, usados por músicos profissionais e amadores no palco,principalmente tecladistas,guitarristas e bateristas.  

As utilidades mais comuns são o uso dos famosos Vst`s de sintetizadores virtuais e reprodução de partes pré gravadas no palco.Esta última tem a finalidade de levar para o show a qualidade e fidelidade dos arranjos gravados e produzidos no estúdio para um cd por exemplo.

Nessa primeira parte vou falar da escolha do computador.

 

Vamos partir do princípio que vc tenha apenas uma opção,usar a mesma máquina em seu estúdio e no palco.Neste caso um notebook com uma configuração voltada para este tipo de trabalho,e só para isso, é a sua alternativa.

Quando se fala em computer music não se qualifica uma máquina como na informática convencional. Temos que dar ênfase na eficiência do conjunto e não a quantidade de memória RAM por exemplo.É preciso boa performance e estabilidade.Hoje no Brasil existem diversas lojas e pessoas especializadas no assunto.As máquinas ao serem montadas, passam por uma rigorosa bateria de testes para analisar sua estabilidade e seu desempenho.

Falando em estabilidade,em uma outra oportunidade falaremos sobre PC E MAC. Então, vamos adiante.Darei algumas dicas básicas a serem observadas.Caso não tenha como adquirir uma máquina em uma loja especializada,tenha atenção para os seguintes ítens em especial:

-Memória Ram.

-Processador.

-Portas de conexão;comunicação.

-HD interno.

Memória Ram:

Memória RAM é um sistema de armazenamento de dados. RAM significa Random Access Memory, Memória de Acesso Aleatório, em inglês, e esta nomenclatura se deve ao fato de que o sistema acessa dados armazenados de maneira não-sequencial, ao contrário de outros tipos de memória. A memória RAM é volátil, ou seja, não grava de modo permanente os dados nela contidos. Quando a alimentação do sistema é cortada, tudo que foi guardado é perdido.

Vale a pena ressaltar que nem todos os tipos de memória RAM providenciam o mesmo nível de performance. Existem diversos modelos com freqüências diferentes e capacidades de transferência de dados cada vez maiores. Confira abaixo uma comparação entre três modelos de RAM com freqüência de clock de 200MHz, e note como a performance duplica a cada versão do hardware:

Processador:

O processador é o cérebro do micro, encarregado de processar a maior parte das informações. Ele é também o componente onde são usadas as tecnologias de fabricação mais recentes. O processador é o componente mais complexo e freqüentemente o mais caro, mas ele não pode fazer nada sozinho. Como todo cérebro, ele precisa de um corpo, que é formado pelos outros componentes do micro, incluindo memória, HD, placa de vídeo e de rede, monitor, teclado e mouse.Hoje em dia os processadores mais usados e com maior compatibilidade entre todos os demais componentes são os processadores da Intel.

HD interno:

A maioria dos notebooks vem com o HD interno com uma rotação de 5400 rpm.

No nosso caso a melhor opção é trabalhar com hds externos, com rotação de pelo menos 7200 rpm.Além disso fique de olho também na memória cache,a partir de 16 MB já é uma boa opção,dando preferência para maiores rotações e mais memória cache.Os Hds mais usados para áudio e vídeo são os Seagate e os da Lacie,este último com variados modelos,dentre eles alguns com conexões USB e porta Firewire 400 e 800.

HD LACIE

Portas de conexão;comunicação:

É por onde conectamos teclado,mouse,monitores, hd externo e por ai vai.

A maioria dos Notbooks vem com algumas portas de conexão padrões,tais como saída VGA para monitores externos.Porta eSATA para HDs..etc.No nosso caso, temos que preocupar com 2 em especial.

USB – Universal Serial Bus

O conceito do USB quando surgiu foi uma revolução. Primeiro porque foi construído nas bases do Plug and Play – ao conectar um dispositivo através do USB, o computador deveria reconhecê-lo automaticamente, suas características, necessidades de alimentação elétrica, classe e instalá-lo caso não já estivesse presente no sistema. Segundo porque permitia a conexão em forma de árvore, de até 127 equipamentos numa mesma porta, cada um podendo servir de hub a outros. Essa mecânica foi herdada e adaptada da rede ethernet. O padrão USB hoje é largamente utilizado em diversos tipos de equipamentos, desde mouses e pendrives a scanners e impressoras.

FireWire – iLink / HPSB / IEEE 1394

O FireWire, também conhecido como High Performance Serial Bus, é uma interface serial muito utilizada em equipamentos de audio e video (mas também em drivers externos, players, etc). Criado pela apple nos anos 90, a interface foi muito utilizada em seus computadores, reconhecidamente melhores para edição profissional multimídia, por ter uma taxa de transferência superior em 30 vezes o USB.

A quantidade delas é muito importante.Imagine um sistema da seguinte maneira:

-Placa de áudio externa.  – Conexão via USB ou Firewire.

-Hd Externo.  – Conexão via USB ou Firewire.

-Teclado controlador.  – Conexão via USB ou cabo Midi comum.

Neste caso precisaríamos de no mínimo 3 portas USB, ou 2 USB e uma firewire para realizarmos essas conexões.Optando pelas ligações da maneira que achar melhor.

Uma opção como sugestão:

Se a placa de áudio e o Notebook tiverem conexão Firewire existe uma maneira simples e eficaz para  uma ligação.

M-AUDIO Firewire 410

Em placas com conexão firewire existem duas dessas portas na placa, onde é possível usar uma porta para ligar a placa ao Notebook e usar a outra como um Hub ligando um HD, tb por conexão firewire nesta porta.O teclado pode ser ligado via cabo Midi convencional na placa de áudio tb.

Assim deixamos livres as outras portas USB da máquina,para por exemplo,conectar um pen drive com arquivos,um outro HD etc…

 

 

Em Resumo:
Procure informações antes de efetuar uma compra pois,dependendo do modelo, ele não irá servir para você.Então terá gasto dinheiro atoa.
 

No próximo post iremos continuar o assunto falando das placas de áudio e do uso para cada aplicação no palco…



 


 







 

 

 

 

SONAR X1

Publicado: 16 de fevereiro de 2011 em Dicas
Tags:, , , , , ,

Apresentado em três versões, PRODUCER, STUDO e ESSENTIAL, o novo produto da Cakewalk é o Sonar X1.

Com a idéia de uma renovação no mercado de softwares de produção musical, o Sonar X1 traz inúmeras mudanças na interface.A nova interface gráfica denominada Skylight promete seguir a nova e mais prática tendência do mercado que é de consolidar todos os painéis de edição numa única janela, fazendo uso de separadores para seleccionar a janela pretendida.

O MultiDock é parte integrante da interface Skylight, que permite albergar e aceder facilmente a qualquer um dos painéis de edição do Sonar num único espaço. Console View, Step Sequencer, Piano Roll, até mesmo instrumentos e efeitos podem ser alojados num único espaço consolidado. Para culminar a flexibilidade, a própria MultiDock pode ser facilmente colapsável e expansível, e pode mesmo ser colocada num segundo monitor.

Outra novidade é  o processador de canal ProChannel (uma espécie de canal clássico de mesa de som, ou channel strip) que a Cakewalk afirma trazer de volta o lendário som dos grandes estúdios.O Pro Channel  incorpora um compressor ao estilo vintage, um equalizador igualmente clássico, um pré-amplificador (saturador) emulando válvulas e possibilidades de alterar o encaminhamento do sinal entre estes três componentes.Segundo a Cakewalk, o ProChannel multiplica os recursos do console view do SONAR, proporcionando um som mais cheio, comparado ao som dos grandes e renomados estúdios de gravação.

A versão  Producer é a mais completa e possui recursos exclusivos como ProChannel: canal de mixagem profissional que simula compressão e equalização de equipamentos analógicos lendários, Session Drummer 3: instrumento virtual de bateria profissional, Dimension Pro: Instrumento virtual com enorme quantidade de sons incluindo sintetizadores e instrumentos acústicos e efeitos exclusivos como o pack plug-in Channel Strip Effects, um pacote completo de efeitos para bateria, voz e demais instrumentos.

A versão STUDIO é intermediária e conta com alguns recursos compartilhados com a versão PRODUCER como Audio Snap, V-Vocal, Surround Sound mix, T Series Effects e Sonitus Fx.

A versão ESSENTIAL é a mais simples e como o próprio nome diz, contém os recursos essenciais para produção musical. Apesar das diferenças, o novo SONAR X1 traz inovações básicas disponíveis em todas as versões.

O Browser (navegador) também foi completamente repensado e organiza agora todos os conteúdos relacionados com o trabalho áudio num único espaço, fácil de gerir. Deste espaço, podemos arrastar e largar praticamente seja o que for directamente para o ambiente de trabalho.

O Inspector, outra poderosa ferramenta de trabalho usada para encontrar tudo o que procuramos, seja clips, pistas ou dados de canal, teve também uma atualização no novo SONAR X1. O novo Inspector mostra um vasto conjunto de dados num espaço pequeno, e permite uma experiência de trabalho de mistura mais ergonômica. Graças ao Skylight, é também completamente expansível e flutuante.

O SONAR, continua a ser compatível apenas com Windows, suportando neste caso já o Windows 7 e funcionando em sistemas 64-bit. A Cakewalk anuncia a quem comprar agora qualquer pacote Producer ou Studio do Sonar 8.5 terá direito a uma atualização gratuita para o Sonar X1 (Producer ou Studio correspondente) quando este estiver disponível para venda.

Requisitos Mínimos para o SONAR X1

  • Windows XP Service Pack 3 (32-bit) / Vista Service Pack 2 (32 ou 64-bit) / Windows 7 (32 ou 64-bit)
  • Intel Core 2 Duo E8200 2.67 GHz/AMD Phenom Quad Core 9750 2.4 Ghz
  • 2 GB RAM
  • 4.5GB para instalação mínima, 15GB para instalação completa

 

Um produtor musical com experiência é uma peça muito importante para um trabalho de qualidade.
Em uma banda independente um produtor musical é visto como um gasto a mais, mas ao contrário, um produtor musical é na verdade um investimento.

Durante um processo de gravação de um CD ou DVD existem várias etapas.Organização dos ensaios, escolha de repertório, elaboração dos arranjos, escolha de músicos de fora para gravação (caso haja necessidade).Após a finalização dessa etapa ainda teremos pela frente a mixagem e masterização.
Organizando melhor essas etapas já se tem uma grande economia.

O produtor musical tem função de deixar o músico mais a vontade e seguro na hora da gravação, fazendo assim que o músico, conseqüentemente,erre menos.

O produtor musical pode interferir pouco ou muito dentro de um trabalho, a ponto de mudar radicalmente a idéia inicial do projeto.Isso acontece muito quando a idéia é tornar o artista um produto original e realmente bom.

No trabalho de um artista solo é fundamental a presença de um produtor.Muitas vezes um artista não possui uma banda fixa, ou até mesmo possui, mas os músicos são inexperientes na hora de uma gravação.Ou é um artista novo, que não tem banda nenhuma e quer gravar seu primeiro cd para vender os primeiros shows.
Então, além de todas as etapas de pré e pós-produção, o produtor musical pode também selecionar músicos específicos e capacitados para a gravação de determinado estilo.

Existem produtores que são músicos experientes e que tocam vários instrumentos. Este tipo de produtor pode ajudar muito quando a banda, às vezes em seu primeiro trabalho, tem um integrante que fica nervoso ao entrar num estúdio.

Existem produtores que não tocam nada, mas em compensação tem um conhecimento musical enorme e a visão do que deve ser feito. Este tipo de produtor ajuda muito quando a banda ainda está em dúvida qual a direção musical a ser tomada.Ele faz cortes necessários em um arranjo mal feito, ”poluído” demais, por exemplo.

Escolha bem seu produtor, converse bastante com ele sobre seu projeto e boa sorte.